Ruído Branco

Colagem para a Revista Ruído Branco por Frederico Martins.

bg_head_middle

A Revista Ruído Brancorecebe trabalhos de temas variados relacionados a literatura, artes, música e/ou cultura em geral (política, sociedade, psicanálise). A revista também recebe trabalhos de criação artística em texto, imagem, som ou outra forma de expressão com possibilidade de divulgação por meio digital.

Sopro

Descobri suas flores,
escavando a terra
como crianças fazem;  A angústia
em sua tonalidade
escarlate.
Consegui
que palavras pertencessem novamente às árvores
encontrando o sol no orvalho e,
entre vários olhos, vi
desfeitas as letras
em perfeitas frases afundando
no lago.
No orvalho, outra luz
de infinitas gotas
na beleza amarela de sua cor.
Pedaços etéreos no silêncio de simples ondas.
Feliz, como o sopro que o derrama,
suas flores desfiz.
colagens5 (1)

Di(per)versões Eletrônicas – Criações Digitais

30008-99276-1-PB

30009-99277-1-PB

A Revista Texto Digital publicou uma série de poemas do di(per)versões. No artigo consta um breve esclarecimento sobre o desenvolvimento dos projetos e apresentações seguido de cinco das duas  peças selecionadas acima. Para acessar esta edição da revista visite o endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/textodigital.

A revista Texto Digital é uma publicação semestral do NuPILL (Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Linguística – http://www.nupill.org/) vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Literatura e ao Departamento de Línguas e Literaturas Vernáculas, do Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina.

Estrela

Há uma terra onde contornam os olhos do sol sob as planícies a desolação no calor escaldante de suas lágrimas desta luz que brota onde nenhum rio emana, germina o trigo, flameja a lua, retorna em sementes felinos que retiram suas asas como rouxinóis encontram suas antigas pirâmides, seu desamparo como em bolhas de ar isoladas no abismo do amor, que é vida, por paixão e morte torna-se estrela torna-se luz e nada em todas as cores e águas.

Imagem

Imagem: Arcano XVII, Tarot Universal Dalí

Poesia eletrônica

Di(per)versões Eletrônicas no livro “Poesia eletrônica: negociações com os processos digitais” do pesquisador Jorge Luiz Antonio. O livro acompanha cd-rom com todas as artes digitais citadas.

Projeto Di(per)Versões Eletrônicas (Brasil), de Patrícia Ferreira da Silva Martins, Frederico Assunção Martins e Wilton Cardoso Moreira, poesia e computador, 44 colagens digitais, apresentação pública, com alguns computadores, na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

Imagem

Artigo sobre o livro e a poesia eletrônica na Cronópios: http://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=4193

A leveza se esvai

A leveza se esvai, todos os dias,

quando em mente a tento tocar

com raios ou penas nos dedos

minha pele pura não é de seu canto

me pesa o corpo de suor em escamas

oposto em leveza aquática

 

De que maneira poderei alcançar sua voz?

Capturar suas ondas em conchas?

 

Em minha mente, todos os dias,

seu peso me esvazia em um oceano

de águas no interior de um cristal

em esferas prolongadas de

serpentes